terça-feira, 27 de maio de 2014

O Prazo de Validade das Amizades


"Lembre-se de que nenhum homem é um fracasso se tiver amigos." - Estava escrito em um cartão de natal dado para George Bailey após ele ter ajudado o seu anjo da guarda a ganha asas, frase verdadeira, poética e ao mesmo tempo controvérsia. Desde o início desse humilde planeta, talvez todas as espécies de seres vivos já participaram de chamados "trabalho em equipe" que em vários casos se desenvolveu para afeto, o que para o ser humano se denomina "amizade", e com certeza você que está lendo isso tem ou já teve amigos.

Mas será que uma amizade pode durar para sempre? Usando como base a minha própria experiência de vida posso arriscar dizer que é pouco provável uma amizade durar mais de 10 anos, e que talvez só será possível disso vier a acontecer se você e o seus amigos seguirem o mesmo rumo na vida, como por exemplo, ambos trabalharem juntos na mesma empresa ou morarem juntos e outras coisas do tipo, se isso não se encaixa atualmente com a sua relação com o seu melhor amigo, pode apostar que daqui há alguns anos esse amigo se tornará um desconhecido.

Talvez o principal motivo pelo qual as amizades terminam são as decepções constantes com os amigos, e onde chega ao ponto em que você pára pra pensar que o amigo que você acostumava a ver praticamente todo fim de semana hoje em dia só é encontrado através da internet de vez em quando e apenas uma vez por ano pessoalmente, e provavelmente vocês param de se encontrar por motivos "bobos", e que depois de um tempo você percebe que não faz mais sentido tentar manter a amizade com tal indivíduo.

De quem será a culpa para o fim da amizade? Sua ou do seu amigo? Quem será que perdeu o interesse? Devo arriscar dizer que o término de tal amizade é apenas uma consequência da vida. Uma vez em que a personalidade e opiniões do ser humano estão em constante mudança, chega em um ponto em que as suas ideologias não são mais as mesmas de seu amigo, o inverso do que se mostrava anos atrás, já que agora talvez sua preferência política, religiosa ou até mesmo sexual não bata com o padrão da nova personalidade de seu antigo amigo, já que este pode ter se tornado um cristão fanático ou um petista, até chegar ao ponto em que vocês dois não tem mais assuntos compatíveis, levando, assim, a decepção mencionada anteriormente e consequentemente ao afastamento de ambas as partes.

Voltando a interpretar a frase do início deste texto, daria para concluir que realmente se um homem tiver amigos, ele dificilmente será um fracassado, porém uma amizade também pode levar o homem ao fracasso, e que assim como a personalidade do ser humano, o seu ciclo de amizades também precisa evoluir e amadurecer.

terça-feira, 6 de maio de 2014

O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro - Crítica


A segunda parte dos novos filmes do super herói aracnídeo chega aos cinemas, e com ela a divisão de opiniões, prometendo ser mais fiel aos quadrinhos e focar mais no universo Ultimate do herói, desde o primeiro filme, muita gente gosta e muita gente não dessa nova saga do cabeça-de-teia nos cinemas.

Na nova trama, Peter Parker (Andrew Garfield) está adorando ser o Homem-Aranha, balançando por Nova York e amando Gwen Stacey (Emma Stone), só que ao surgir Electro (Jamie Foxx) na cidade, Peter precisa enfrentar um inimigo mais poderoso, além de lidar com o retorno de seu velho amigo Harry Osborn (Dane DeHaan), e que após descobrir que Harry está doente, Peter precisa destruir obstáculos, pois o Homem-Aranha pode ser o único que pode curar o amigo, mas podem haver consequências que nem o herói está preparado.

O filme é visualmente impecável, com um bom aproveitamento do 3D e das cenas de ação, que estão bem dirigidas, porém, a infantilização e o excesso de cenas de alívio cômico prejudicam. Aqui temos um Homem-Aranha bem mais próximo dos quadrinhos, tanto na roupa quanto nas suas piadas durante as batalhas, porém, em algumas cenas, mal aproveitadas.

O clímax do filme também segue os quadrinhos, mas nesse caso, o alívio cômico fixado durante todo o longa tira totalmente o peso dramático em que o clímax deveria ter, e o desenvolvimento da história bem corrido exalta alguns furos no roteiro e apesar de as cenas de ação estarem boas, o exagero de efeitos especiais as vezes deixa tudo menos "acreditável", usando um excesso desnecessário de cores digitais e abusando da fotografia que deixa as cenas claras ao extremo, até mesmo nas mais escuras.

A motivação dos vilões é outro problema, pois não convencem, a explicação que deram para transformar Electro em um cara mau é ridícula, fazendo o vilão principal ser um cara chato e imbecil (principalmente antes de virar o bandido), assim, não aproveitando todo o talento de atuação de Jamie Foxx. Talvez o personagem que melhor se desenvolveu durante o filme foi o Harry, porém, a personificação dele em Duende Verde é tão rápida que parece que o vilão só está ali pra tapar um buraco no final do filme, além do Rhino, que foi a pior forma possível de adaptar e aproveitar um bom vilão em cena.


Algumas cenas bregas e ridículas, como o Homem-Aranha com gripe, o mesmo com chapéu de bombeiros e até a ponta da teia virando um mãozinha infantilizam ainda mais o filme e no final, parece que este segundo filme só existiu para os estúdios arrecadarem dinheiro para mais sequências.



AVALIAÇÃO FINAL

Regular
O ponto forte do filme são as cenas de ação, o 3D e a boa adaptação da roupa do herói e de alguns arcos dos quadrinhos, porém o excesso de alívio cômico prejudica o longa nas cenas onde exigem um maior peso dramático, a motivação dos vilões também são fracas e infantis, principalmente de Electro, já Harry Osborn, que foi o personagem mais bem desenvolvido, teve uma conclusão muito simples e rápida. A história do longa é interessante porém apresentada de forma muito corrida e personagens muito mal adaptados e aproveitados, como por exemplo o vilão Rhino, alguns efeitos especiais parecem mais cenas de video-game e cenas muito claras e coloridas são o ponto fraco do filme. Enfim, é um filme divertido, vale o ingresso, mas não é o melhor já feito sobre o Homem-Aranha.